PLVF_v3_original

Prémio Literário Vergílio Ferreira 2018 – Regulamento

Até ao dia 31 de dezembro de 2017, devem ser apresentadas as obras para o Concurso do Prémio Literário Vergílio Ferreira 2018. A edição de 2018 irá distinguir um original versando na categoria de Ensaio Literário. 

Essencial_sobre_VF

Novos livros sobre a vida e obra de Vergílio Ferreira

A Imprensa Nacional-Casa da Moeda acaba de publicar o n.º 131 da coleção O Essencial sobre, dedicado a Vergílio Ferreira. Com algum atraso – atendendo à importância e à dimensão da bibliografia, na literatura e no pensamento de língua portuguesa, do autor de Alegria Breve –, o volume agora editado traz a assinatura de Helder Godinho, um dos mais marcantes ensaístas dos estudos vergilianos e autor de, entre outros títulos, O Universo Imaginário de Vergílio Ferreira (1985), ensaio pioneiro sobre o romancista e a primeira tese de doutoramento consagrada, em Portugal, a um autor vivo.

Capa_CAmoes_dia_portugal

Camões, Liberdade e Inquietação – Vergílio Ferreira e o 10 de junho de 1977, na Guarda

Realizaram-se, pela primeira vez após a Revolução de Abril, as comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, no dia 10 de junho de 1977, na cidade da Guarda, como nos lembra Alípio de Melo[1] que integrou a “Comissão local organizadora do evento”. Para a Sessão Solene foram convidados Vergílio Ferreira, por proposta do mesmo Alípio de Melo, e Jorge de Sena. No texto introdutório a Jorge de Sena – Vergílio Ferreira: Correspondência, Mécia de Sena assinala que foi nesta ocasião que conheceu pessoalmente o autor de Aparição e a última em que se encontraram os dois escritores.

vergilio ferreira_curso de verao

Curso de Verão Vergílio Ferreira

O Município de Gouveia em parceria com a Universidade de Évora, organizam o Curso de Verão “Vergílio Ferreira: O Lugar como ficção”, que vai decorrer de 12 a 16 de junho, em Évora e Gouveia.

pena_de_morte_um_arcaismo

Na passagem dos 150 anos da abolição da Pena de Morte em Portugal e dos 50 Anos de “Pena de Morte um Arcaísmo” de Vergílio Ferreira

     A 1 de julho de 1867 o Rei D. Luís sanciona o decreto das Cortes Gerais, datado de 26 de junho desse ano, “que aprova a reforma penal e das prisões, com abolição da pena de morte.” (in http://antt.dglab.gov.pt/exposicoes-virtuais-2/carta-de-lei-da-abolicao-da-pena-de-morte-1867-marca-do-patrimonio-europeu/). 

Cem anos decorridos, em setembro de 1967, a Universidade de Coimbra organiza um Colóquio Internacional sobre o centenário da abolição da pena de morte, onde participam, entre outros,  Miguel Torga – com a comunicação de abertura – e Vergílio Ferreira com uma conferência intitulada “Pena de morte, um arcaísmo”, incluída no segundo volume do livro das comunicações deste Colóquio e em Espaço do Invisível 3. No espólio de Vergílio Ferreira, à guarda da Biblioteca Nacional, encontra-se um documento manuscrito (cota E31/235), com um título diferente (“Pena de morte, pena de bárbaros”) e outros alternativos (“Pena de morte, pena de anacoreta” e “Pena de morte, pena de cão”).

vf_roteiro

Roteiro Literário Vergílio Ferreira – Estudantes da Universidade de Salamanca em Melo e Gouveia

Cerca de duas dezenas de estudantes da Universidade de Salamanca, acompanhados pelos Professores Paula Cristina Isidoro e Hugo Milhanas Machado, estiveram em Melo e em Gouveia, no passado mês de abril, para conhecerem uma parte do Roteiro Literário Vergiliano e a Sala Vergílio Ferreira da Biblioteca Municipal. Todos receberam um exemplar do Roteiro Literário Vergiliano – Melo e a ‘aldeia eterna’ de Vergílio Ferreira, editado pelo Município de Gouveia, de forma a seguirem os seus vários “capítulos” nos locais do chamado percurso urbano que começa e termina, numa circularidade tão do agrado da construção romanesca do autor, no Chão do Paço e na Casa Amarela.

VF_escrever_e_pensar

Vergílio Ferreira – Escrever e Pensar ou O Apelo Invencível da Arte

Vergílio Ferreira – Escrever e Pensar ou O Apelo Invencível da Arte reúne, ao todo, trinta e seis ensaios de especialistas e estudiosos nacionais e internacionais da obra do autor de Para Sempre, a que se juntam quatro testemunhos sobre o amigo e o escritor. Estamos, deste modo, perante um título que vem enriquecer o já longo capítulo dos estudos vergilianos, indubitavelmente um dos escritores com uma das maiores fortunas críticas da literatura portuguesa.

Vergilio_Ferreira_nt1

366 Dias a (Re)Viver Vergílio Ferreira

O Município de Gouveia encerra, no próximo dia 28 de janeiro de 2017, o Programa Comemorativo do Centenário do Nascimento de Vergílio Ferreira, com um conjunto de eventos que pretendem manter a dinâmica de um programa iniciado precisamente há um ano, quando se assinalaram os cem anos do nascimento do escritor nascido em Melo.

espaco_invisible

Exposição Vergílio Ferreira: ESPAÇO DO (IN)VISÍVEL / Torre do Tombo

No âmbito do Programa Comemorativo do Centenário do Nascimento de Vergílio Ferreira (1916-2016) será inaugurada, no próximo dia 6 de dezembro, pelas 17 horas, no Instituto dos Arquivos Nacionais / Torre do Tombo (IANTT), a Exposição Vergílio Ferreira: Espaço do (In)visível, a qual estará patente até ao dia 31 de janeiro de 2017.

Vergílio Ferreira

Exposição “Vasco de Castro – Desenho satírico e pintura ou riso e inquietude”

A Exposição “Vasco de Castro – Desenho satírico e pintura ou riso e inquietude” será inaugurada no próximo dia 19 de novembro, no Museu Municipal Abel Manta, e estará patente ao público até ao dia 31 do próximo mês de dezembro. Esta Exposição integra-se no âmbito das Comemorações do Centenário do Nascimento de Vergílio Ferreira (1916-2016) e pretende homenagear o desenhador satírico e o “pintor inconformado e inclassificável” (Beja Santos), ao apresentar um conjunto de obras escolhidas pelo próprio Vasco de Castro.

Vasco de Castro, ou apenas Vasco, nasceu em Vila Real, Trás-os-Montes, em 1935. O desenhador satírico, pintor e autor do livro de crónicas Montparnasse mon Village, viveu o exílio em Paris, entre 1961 e 1974, tendo publicado os primeiros desenhos na imprensa francesa a partir de 1962, nomeadamente em L’Humanité, France-Observateur, Le Monde, Le Figaro Littéraire, Politique Hebdo, L’ Actualité, etc.
Após o 25 de Abril de 1974, regressa a Portugal, fixa-se em Lisboa e colabora na imprensa portuguesa. O traço agressivo de Vasco de Castro e a ousadia dos temas e figuras caricaturadas tornam-no num dos mais reputados artistas do desenho satírico contemporâneo.

Na pintura, Picasso e Francis Bacon são as suas grandes referências, tendo Vergílio Ferreira afirmado que “Vasco pinta como quem dá tiros e as telas (ou papéis) testemunham a sangria. Pintura brusca, agressiva, com cores nada cordatas. (…) Mas de todo o modo, muito singular e inesperada na nossa feira plástica.”

Em Fontanelas, Vergílio Ferreira e Vasco de Castro cultivam uma longa amizade e a paixão por tudo o que diz respeito à Arte, mais concretamente a literatura e as artes plásticas, tendo o esboço do romance Na tua Face nascido das conversas que Vergílio Ferreira manteve com Vasco de Castro, sobre desenho satírico e pintura, no seu atelier.

Organização: Comissão do Centenário de Nascimento de Vergílio Ferreira, Biblioteca Municipal Vergílio Ferreira, Museu Municipal de Arte Moderna Abel Manta e Município de Gouveia.